24 de Maio 2024 01:24
Segue-nos

O que procura?

SportMagazineSportMagazine
0

Outras Modalidades

Vasco da Rocha e a modalidade da moda: “O Teqball é o desporto que mais cresce no mundo e Portugal não é exceção”Exclusivo 

Foto: Federação Teqball Portugal

Nos balneários é cada vez mais comum. Lá está uma mesa, uma pequena rede e os jogadores a fazer os exercícios de aquecimento em clima de jogo a sério. A bola, a exemplo do ténis de mesa, passa de um lado para outro sem deixar-se cair. O desporto em questão a agregar cada vez mais praticantes é o teqball.

A modalidade chegou a Portugal em 2016 e em 2019 foi criada a Federação Teqball Portugal (FTP). O país já conta atualmente com 80 clubes e 300 jogadores federados, entre homens e mulheres, jovens e seniores, em lazer ou em competição.

O último de grande porte em solo nacional aconteceu na última semana de fevereiro, quando o Complexo Desportivo do Casal Vistoso, em Lisboa, recebeu o Lisbon – European Teqball Tour 2022, com presença assegurada dos melhores teqers do mundo – um total de 118 atletas em representação de 21 países estiveram na competição.

Vasco da Rocha, vice-presidente da FTP, conversou com a SportMagazine sobre o crescimento da modalidade em Portugal, dos planos para o desenvolvimento do teqball e revelou a intenção de ter o novo desporto já nos Jogos Olímpicos de 2028.

Vasco da Rocha, vice-Presidente da Federação. Foto: Federação Teqball Portugal

SportMagazine (SM) – Para quem não conhece o Teqball, como poderia explicar do que se trata esse novo desporto?
Vasco da Rocha (VR) – O Teqball é um desporto de fusão entre o futebol e o ténis de mesa. Utiliza a bola e os toques do futebol e uma mesa semelhante à do ténis de mesa, sendo que o tampo é curvo para melhor projetar a bola e a rede é rígida. Joga-se à melhor de 3 sets até aos 12 pontos, nas variantes de Singles e Doubles, podendo ser praticado entre jogadores de diferente géneros, idades e capacidades físicas.

Existem algumas regras específicas como o limite de um a três toques para devolver a bola, com um passe obrigatório entre os jogadores da equipa no caso da variante Doubles, a proibição de dar dois toques consecutivos com a mesma parte do corpo ou a Egdeball, lance em que a bola bate na quina da mesa e depois no chão, devendo o lance ser repetido de forma e minimizar o fator sorte.

SM – Como avalia o desenvolvimento do Teqball aqui em Portugal?

VR – O Teqball é o desporto que mais cresce no mundo e Portugal não é exceção. A Federação foi lançada em 2019 e vamos no 3º Circuito Nacional, 80 clubes e 300 jogadores federados, tendo já participado em quatro campeonatos do mundo e com uma presença forte nos circuitos internacionais em 2022.

SM – É cada vez mais comum ver o Teqball nos balneários e nos exercícios de aquecimento de jogadores de futebol. Pensa que é possível atrair atletas de outros desportos para se tornarem profissionais no Teqball?

VR – O Teqball tem que encontrar os seus próprios atletas e será uma questão de tempo para que isso aconteça, mas é saudável que jogadores de outras modalidades tenham gosto em praticar Teqball. Além disso, existe uma complementaridade grande com outras modalidades e pode mesmo fazer parte dos planos de treino do futebol, futsal, futebol de praia, futevôlei ou padbol. O profissionalismo está ainda a dar os primeiros passos, mas torna-se quase evidente que, mais tarde ou mais cedo, vai tornar-se realidade.

SM – O Teqball é um desporto bastante democrático, para todos. Nesse sentido, quem nunca praticou, mas gostaria de conhecer e experimentar, onde pode iniciar?

VR – Temos clubes em 16 dos 18 distritos do país e nas regiões autónomas dos Açores e da Madeira. Basta procurar o clube mais perto no site da Federação Teqball Portugal.

SM – Há poucas semanas, Portugal recebeu o Lisbon – European Teqball Tour 2022. Como avalia a competição e qual a importância para o desenvolvimento do desporto no país receber uma disputa como esta?

VR – Foi um desafio tremendo organizar esta prova em apenas semanas, mas também uma enorme honra abrir uma calendário internacional em 2022 e um prova inequívoca de que a FITEQ – Federação Internacional de Teqball confia na federação portuguesa. Este evento teve uma produção incrível e foi um enorme cartão de visita da modalidade para quem ainda não a conhecia. Cimentou a relação da modalidade com a cidade de Lisboa e os diretos televisivos das finais levaram o Teqball a todo o país. Foi uma demonstração clara do poder e do potencial do Teqball, enquanto modalidade desportiva.

SM – Por fim, quais os próximos passos do Teqball?

VR – Temos que continuar o nosso caminho de apetrechamento, formação e crescimento em clubes e atletas, mas também acompanhar a tendência internacional para não perdermos o comboio que já partiu. É importante criar condições para que atletas portugueses consigam estar nos principais palcos do Teqball a nível internacional, pois isso também nos ajudará a crescer cá dentro e será determinante para garantir uma presença portuguesa nos Jogos Olímpicos onde a modalidade quer estar já em 2028.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Edição Atual

Artigos que poderá gostar

Outras Modalidades

Os “Caixeiros” de Santarém emergiram como os grandes protagonistas na última etapa do Circuito Nacional de Teqball 2023, uma prova Masters exclusiva aos 16...

Outras Modalidades

A segunda etapa do European Teqball Tour 2023 disputou-se entre os dias 16 e 19 de março, no Complexo Desportivo Municipal de Gallur. Esta...

Atualidade

No sábado, 18 de fevereiro, vai arrancar o Circuito Nacional de Teqball 2023, em Viana do Castelo, Cidade Europeia do Desporto 2023. O Viana...

Outras Modalidades

Portugal concluiu a sua participação no V Campeonato do Mundo de Teqball, que se realizou entre os dias 23 e 27 de novembro em...

©2022 - SportMagazine - Revista de Treino Desportivo.
Todos os direitos reservados. Quântica Editora - conteúdos especializados, Lda. Praça da Corujeira, 30 4300-144 Porto, Portugal.
Website desenvolvido por Renato Sousa.