30 de Setembro 2022 08:41
Segue-nos

O que procura?

SportMagazineSportMagazine

Opinião

Uma reflexão sobre a abordagem de impasses e diferendos no desporto portuguêsExclusivo 

Pedro Sequeira, diretor da SportMagazine. Foto: Carlos Saraiva/SM

Nos últimos dias veio a público o descontentamento de um conjunto de atletas face ao tratamento que estavam a ter da sua respetiva federação, apelando, no final, a intervenção exterior para ajudar a resolver o diferendo. Passados uns dias, veio a público o anúncio por parte das entidades de cúpula do desporto português, informando que tinham conseguido ajudar a resolver uma grande parte do diferendo entre atletas e federação.

O desporto federado tem uma organização similar na maioria das modalidades. Ao nível de clubes, quando existem problemas entre atletas, treinadores e dirigentes e não se consegue chegar a um acordo para a resolução dos mesmos, muitas vezes a mudança de clube é a única solução (não significando que seja a solução mais justa ou correta). É uma solução possível.

Quando os problemas são no topo (ao nível das cúpulas), atletas de seleções nacionais, treinadores e dirigentes são confrontados com um contexto totalmente diferente. Dado que só existe uma federação com utilidade pública desportiva (UPD) por modalidade, não se pode aplicar a possibilidade referida acima.

Os atletas ou treinadores não podem mudar de federação. E a alternativa pode ser deixar de representar o País ao nível da Seleção. No entanto, se acharem que a razão está do seu lado, não quererão tomar essa decisão radical e tentarão de todas as formas ultrapassar o diferendo. Por outro lado, se a federação também acha que a razão está do seu lado mas, ao mesmo tempo, também tem a noção da importância que os seus atletas de Seleção têm para o País, fica num beco sem saída.

O recurso a entidades de cúpula do ecossistema desportivo português (Governo, IPDJ, COP, CPP, CDP, etc.) para mediar diferendos parece interessante mas também coloca essas mesmas entidades num dilema: como definir o nível do problema a partir do qual é aceitável intervir? Quando lhes é pedido? Por iniciativa própria?

Toda esta situação não é inédita em Portugal. No passado, já existiram diferenças semelhantes entre atletas, clubes e treinadores com as federações desportivas. Com consequências diversas.

Esta situação mais recente deve promover uma reflexão profunda sobre a forma de tratar estes assuntos.

Enquanto Diretor da SportMagazine sublinho o carácter formativo deste projeto, pelo que, com o objetivo de contribuir para a valorização e reconhecimento do desporto português, promoveremos essa e outras reflexões que se nos afiguram como desafios atuais e que serão em breve alvo de atenção numa das próximas edições da revista.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos que poderá gostar

Atualidade

O Dia do Treinador foi celebrado no domingo, por parte da Confederação de Treinadores de Portugal, em Viana do Castelo, na Sala Couto Viana...

Andebol

A Federação Europeia de Andebol (EHF) criou um manual de andebol como ferramenta de ajuda a todas as federações nacionais e clubes. No sábado,...

Atualidade

O Dia do Treinador é celebrado pela Confederação de Treinadores de Portugal no dia 25 de setembro. Para assinalar o momento vai realizar-se, em...

Atualidade

O último dia da Feira do Livro de Lisboa dinamizará uma sessão importante para divulgar e debater o desporto. No próximo domingo, o evento...

©2022 - SportMagazine - Revista de Treino Desportivo.
Todos os direitos reservados. Quântica Editora - conteúdos especializados, Lda. Praça da Corujeira, 30 4300-144 Porto, Portugal.
Website desenvolvido por Renato Sousa.