23 de Maio 2022 05:42
Segue-nos

O que procura?

SportMagazineSportMagazine

Aikido

Roberto Sánchez: os desafios do Aikido como “uma grande aventura de natureza espiritual”Exclusivo 

Foto: Federação Portuguesa de Aikido

Diretor técnico da Aikikai Espanha e conselheiro técnico da Federação de Aikido da Bósnia e Herzegovina, o espanhol Roberto Sánchez, 6.ºdan Aikikai – Shihan, esteve este fim de semana para um estágio da prática na Academia Estrela, em Lisboa. O evento, organizado pela Bushinkai Associação de Clubes de Aikido e pelo Dô Clube de Aikido e apoiado pela Federação Portuguesa de Aikido, foi bastante bem recebido pelos praticamente portugueses. Sánchez, que há 44 anos pratica o Aikido, conversou com a SportMagazine sobre a experiência na referida arte marcial.

Como e quando surgiu o Aikido na sua vida?

Renato Sánchez (RS) – O Aikido surgiu na minha vida por tradição familiar. O meu pai, Tomás Sánchez Shihan, é um dos pioneiros do Aikido Espanhol e desde que tenho memória sempre estive em contacto com o tatami. Até à minha adolescência combinava a prática do Aikido com Judo, posteriormente centrei-me apenas no estudo do Akido.

Na sua opinião, que responsabilidades e obrigações surgiram com o 6º dan Aikikai e o título de Shihan?

RS – São muitas, mas talvez destaque a tentativa constante de conseguir em todos os momentos uma atitude justa, caracterizada pela vitória sobre si mesmo. Estar disposto a assumir que o nível de compromisso com a disciplina é tão elevado, que afeta de alguma forma todas as facetas da nossa vida, é um objetivo que tem de ser levado a cabo com muita paixão. Tecnicamente, ter a capacidade de se desapegar de tudo o que é artificial e desenvolver um Aikido inteligente, e para que tal possa acontecer, por um lado temos de treinar para ter um corpo saudável e flexível que nos permita avançar na direção que desejamos e por outro, fazer uma abordagem continua aos princípios sobre os quais se fundamenta a nossa prática. Dar a cara aos alunos, ser uma boa referência a todos os níveis, ter um sentido de humildade exemplar, independentemente de termos dois ou 50 alunos numa aula. O espírito de disposição e a paixão para “contagiar” os demais na nossa demanda deve ser sempre o mesmo. Resumindo, é uma grande aventura de natureza espiritual que não só exige muito trabalho e capacidade de superação mas por outro lado, a beleza de poder usufruir de todos os seus frutos.

Como surgiu então a ligação a Portugal e à associação Bushinkai Associação de Clubes de Aikido?

RS – Desde o inicio dos anos 1990 que visitava Portugal com regularidade (principalmente Lisboa, Estoril e Lamego) para participar nos mais diversos estágios ministrados por Tamura Sensei nos últimos 30 anos. Tenho também uma memória que me é muito querida de um estágio que se organizou em Lisboa no ano de 1992 com Morihiro Saito Sensei, no qual participei. Em 2018, recebi o amável convite da professora Alexandra Lopes, que conheço há imensos anos, para dar um estágio em Lisboa, dando assim início a esta ponte Portugal-Espanha.

É a terceira vez que a associação organiza um estágio em Lisboa com a sua orientação, como acha que está a prática em Portugal e como vê a evolução dos praticantes?

RS – Não posso emitir uma opinião generalizada sobre o Aikido português, uma vez que só conheço parte do mesmo. Agora, o que posso sim partilhar, é o quão confortável e bem recebido me sinto cada vez que cá venho graças ao bom ambiente que existe entre todos dentro do tatami e à maravilhosa predisposição dos mesmos para se entregarem à prática. Tento sempre fazer uma abordagem mais simplista do ponto de vista técnico, de fácil compreensão, de modo a que o estudo dos princípios e dos fundamentos sejam entendidos. Na minha opinião esse é o caminho para se evoluir de forma eficiente e sem se dispersar. Penso que na vossa Federação, existem vários professores com bastante experiência de ensino, que partilham desta mesma perspetiva, de forma que acredito muito na evolução e no amadurecimento dos Aikidokas Portugueses.

A pandemia tem condicionado a vida de todos nestes dois últimos anos. Sente que estão reunidas todas as condições para a retoma da prática generalizada com reduzidas restrições?

RS – Sem sombra de dúvidas, e posso falar da minha experiência pessoal no meu dojo. Creio que em momentos como este, uma postura demasiado radical ou conservadora, relativamente a restringir o desenvolvimento da prática não faz sentido rigorosamente nenhum. Durante estes dois últimos anos, passámos por diferentes etapas no que se refere à pandemia. A própria prática do Aikido, faz com que adotemos uma postura sensata, coerente e inteligente, e isto permite-nos continuar, ainda que tenhamos que fluir na desvantagem. Já interiorizámos com alguma naturalidade que temos de usar máscara durante a prática e mantemos, com rigor e prudência, todas as normas e protocolos que nos são exigidos. Enfim, espero que a partir deste ano, possamos sair definitivamente deste cenário um tanto ou quanto surrealista, com as esperanças renovadas e um compromisso ainda mais reforçado por esta disciplina que nos apaixona a todos.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos que poderá gostar

Aikido

Após exatos dois anos desde o último estágio internacional em Portugal, o Sensei Nebi Vural, diretor técnico da União Portuguesa de Aikido, regressa às...

Aikido

Com 44 anos de experiência na prática do Aikido, Roberto Sanchez Shihan, 6º Dan Aikikai, está de volta a Portugal para orientar o Estágio...

Aikido

Bruno Gonzalez, uma das referências do Aikido francês, esteve este mês em Portugal para um estágio realizado na Associação TenChi Coimbra. Professor da Escola...

Aikido

Faro recebe no próximo fim de semana o belga Stéphane Goffin, 6º Dan Aikikai, para um Estágio Internacional de Aikido. O evento acontecerá no...

@2021 - SportMagazine - Revista de Treino Desportivo.
Todos os direitos reservados. Quântica Editora - conteúdos especializados, Lda. Praça da Corujeira, 30 4300-144 Porto, Portugal.
Website desenvolvido por Renato Sousa.