16 de Maio 2022 13:01
Segue-nos

O que procura?

SportMagazineSportMagazine

Aikido

Raul Pinto e o regresso aos estágios de Aikido em Portugal: “Depois de quase dois anos”Exclusivo 

O professor Raúl Pinto iniciou a prática no Ten-Chi em 1989. Foto: Federação Portuguesa de Aikido.

A Associação de Clubes de Aikido Ten-Chi (ACAT) e a Federação Portuguesa de Aikido promoveram este fim de semana o primeiro estágio de Aikido em 2022 no país. O evento aconteceu sob a direção do professor Raul Pinto, um dos praticantes mais antigos (com prática iniciada no Ten-Chi em 1989) e respeitados da modalidade. Dirigente da ACAT e 5º Dan Aikikai e Ten-Chi, Pinto falou sobre o encontro realizado no Centro de Alto Rendimento, em Oeiras, além de também detalhar a história do mestre Georges Stobbaerts, fundador do Aikido em Portugal, e os desafios impostos pela pandemia causada pela Covid-19. “Voltamos a reencontrar, depois de quase dois anos de interregno”, destacou. Confira a entrevista.

O professor Raul Pinto pode descrever-nos como foi a decisão de realizar este encontro?
Raul Pinto (RP) – Três razões contribuíram para esta decisão. Primeiro a realização do tradicional Kangeiko, ou seja, literalmente treino (keiko 稽古) de inverno (kan 寒) que é realizado na época do grande frio. Esta prática, comum a várias artes marciais, teve como objetivo, a superação, através de exercícios físicos e técnicas básicas, o aumento da resistência física através do desempenho em condições difíceis, de forma a contribuir para o fortalecimento do corpo e da mente. Este local e esta data pareceram-nos, por isso, apropriados. O convívio serviu também para lembrar o Kagami Biraki, a tradicional festa de receção do novo ano. A segunda razão é assegurar que é possível treinar uma arte marcial dentro das regras sanitárias existentes, em segurança e de forma responsável. As restrições impostas, dificultaram muito a prática normal e a realização dos encontros previstos no nosso calendário de atividades. Finalmente, para ter uma oportunidade de praticar com pessoas que fazem parte da nossa Associação, e não só, e que se encontram espalhadas pelo país e que voltamos a reencontrar, depois de quase dois anos de interregno. Não sendo ainda um estágio com as condições ideais de prática, é o que de momento é possível.

Pode então explicar-nos como surge a vossa Associação e como tem desenvolvido a vossa prática nestes últimos dois anos?
RP – A ACAT nasce de uma vontade manifestada por um grupo de clubes e associações, que praticavam já há alguns anos, integrados numa outra associação, a Associação Ten-Chi Internacional, que seguia o ensino da Escola Ten-Chi e do seu fundador o Mestre Georges Stobbaerts. Atualmente temos cerca de 12 Dojos dispersos pelo país, de norte a sul do continente e ilhas (Açores). O desenvolvimento da prática tem sido apoiado num ensino que pretendemos que seja de qualidade, um dos nossos principais objetivos ao longo dos perto de 13 anos de existência, traduzindo-se num número de praticantes que se aproximou das três centenas. A crise pandémica levou a uma grande redução de praticantes, creio que aconteceu com todas as Associações e Clubes de praticantes. No ano de 2020, a prática foi muito através de sistemas online, mantendo a ligação com uma larga maioria de praticantes. Em 2021 continuámos com muitas restrições e apenas a trabalhar “online” com actividades esporádicas ao ar livre. Em Dojo só no final do ano 2021 e ainda com muitas limitações.

E quais as consequência deste afastamento da prática?

RP – Tudo isto levou ao abandono de muitos jovens para outras práticas onde as restrições não eram tão fortes. As crianças, quase desapareceram dos nossos dojos. Creio que o medo que se instalou levou ao afastamento de um número elevado de praticantes. Os convites que dirigimos a alguns reconhecidos Mestres, para dirigirem estágios em Portugal, foram também suspensos. Só agora começamos a ver alguma aproximação, a confiança e segurança que podemos transmitir são fatores motivadores de regresso á prática. A ACAT, desde o seu início, filiou-se na Federação Portuguesa de Aikido, com quem colabora de forma direta na Formação Inicial e Contínua dos seus treinadores, propondo ações de formação e participando com os seus formadores em outras ações específicas conforme solicitação da FPA, e fomentando o intercâmbio com outras associações e clubes de Aikido, tanto em Portugal como no estrangeiro. Na FPA, estes dois últimos anos deixaram, tal como nas Associações suas filiadas, todos os projetos em suspenso, estando agora a recuperar as atividades de forma lenta, mas segura.

A propósito do Mestre Georges Stobbaerts, pode descrever-nos um pouco quem foi e a sua importância para o Aikido em Portugal?

RP – Não é fácil de falar do fundador do Aikido em Portugal, resumindo uma vida tão rica e com tanta relevância para a prática do Budo, sem correr o risco de algo ficar por dizer. O Mestre nasceu em Casablanca em 30 de novembro de 1940 e estudou na Bélgica e em Marrocos, pratica Judo, Aikido, Kendo, Iaido, e Yoga sob a orientação de eminentes mestres orientais. Fascinado pelas artes do oriente, pratica com Mestres japoneses que o iniciam na meditação Zen e com mestres indianos aprofunda o Yoga. Funda o primeiro Dojo de Aikido e de Kendo em Marrocos (Budo Club du Marroc), aí ensina as Artes Marciais e o Yoga durante uma dezena de anos, insistindo particularmente no lado espiritual destas disciplinas sem esquecer o seu aspeto educativo.

E como o Aikido chegou a Portugal

RP – Em 1967 [Stobbaerts] vem a Portugal pela primeira vez a convite da União Portuguesa de Budo e dirige um estágio de Aikido em Bucelas, lançando a primeira pedra para a fundação do Aikido. Pouco depois instala-se definitivamente em Portugal, criando o Budokan de Cascais, onde se formam numerosos alunos, agora professores nas diferentes disciplinas. O Teatro também não lhe foi indiferente, lecionando durante vários anos na Escola Profissional de Teatro (Cascais) e colaborando na encenação de algumas peças e na movimentação cénica dos actores. Escreve o livro “O Corpo e a Expressão Teatral” que ainda hoje é uma referência nas escolas de Teatro. Cria o TenChi Tessen, a Arte do Leque, baseado no seu profundo conhecimento do movimento e das artes marciais. É ainda fundador do projeto Ten-chi, Centro Cultural de Investigação na Arte e no Movimento que edifica, com a ajuda dos alunos, um espaço único em Sintra para a prática do Aikido e outras artes marciais: o Dojo Ten-Chi. Ligados a esta escola criaram-se vários dojos do Norte a Sul de Portugal e também no estrangeiro. É nomeado representante para Portugal do “Tokoshima Budo Council” e da “Dai Nippon Butoku Kai”, a mais antiga escola de artes marciais japonesa. Em 1995 o Mestre Georges Stobbaerts recebe o 8º Dan da Dai Nippon ButokuKai, que lhe atribui o título de Soké, fundador de um estilo e escola. Dirigiu vários estágios a nível nacional e internacional. Manteve sempre uma relação próxima com a Aikikai de Tóquio através de várias visitas ao Japão, conhecendo pessoalmente o anterior e o actual Doshu, Kishomaru Ueshiba e Moriteru Ueshiba (filho e neto de O-Sensei). Sempre que possível convidou Mestres Japoneses e outros de reconhecido valor internacional, para no seu Dojo dirigirem estágios, proporcionando uma visão mais global do aikido europeu e mundial. Escreveu diversos livros e textos sobre o movimento e a espiritualidade, estabelecendo pontes entre culturas e tradições. Faleceu em 6 de janeiro de 2014 deixando uma vasta obra material e imaterial, um legado que procuramos recordar e fortalecer.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos que poderás gostar

Aikido

Após exatos dois anos desde o último estágio internacional em Portugal, o Sensei Nebi Vural, diretor técnico da União Portuguesa de Aikido, regressa às...

Aikido

Com 44 anos de experiência na prática do Aikido, Roberto Sanchez Shihan, 6º Dan Aikikai, está de volta a Portugal para orientar o Estágio...

Aikido

Bruno Gonzalez, uma das referências do Aikido francês, esteve este mês em Portugal para um estágio realizado na Associação TenChi Coimbra. Professor da Escola...

Aikido

Faro recebe no próximo fim de semana o belga Stéphane Goffin, 6º Dan Aikikai, para um Estágio Internacional de Aikido. O evento acontecerá no...

@2021 - SportMagazine - Revista de Treino Desportivo.
Todos os direitos reservados. Quântica Editora - conteúdos especializados, Lda. Praça da Corujeira, 30 4300-144 Porto, Portugal.
Website desenvolvido por Renato Sousa.