18 de Maio 2022 17:24
Segue-nos

O que procura?

SportMagazineSportMagazine

Natação

O planeamento do treino: um pilar fundamental no sucesso do treinadorExclusivo 

Vasconcelos Raposo, treinador de natação e professor. Foto: Carlos Saraiva/SM

Por António Vasconcelos Raposo* (Treinador olímpico de natação)

O Planeamento.

O modo como os atletas reagem aos efeitos do treino e à participação nas diversas competições é determinado pela qualidade e cuidados que existiram no ato de planear a Época Desportiva.

Duas questões devem ser analisadas previamente:
A primeira é determinada pelo estudo aprofundado sobre o calendário nacional e internacional da sua modalidade. Deste estudo, resulta a definição da tipologia das competições (preparatória, avaliação, principais, qualificação) e a colocação no calendário dos possíveis Torneios a que a equipa poderá participar. Trata-se, de decisões sobre as quais será feita a estruturação cíclica da época.

Dentro dos detalhes do planeamento, uma das variáveis que irá determinar a capacidade de um rendimento ótimo ao longo das muitas semanas é a «gestão da forma desportiva dos atletas individualmente e coletivamente».

Esta é, sem dúvida, uma das tarefas mais complexas dos treinadores, seja qual for a modalidade. E, quando falamos de atletas inseridos num contexto de uma preparação desportiva para o alto rendimento, maior é a complexidade e maior a atenção que deve ser dada à estratégia da preparação. Os atletas e as equipas que participam nas competições nacionais e internacionais exigem uma harmonização dos conteúdos de treino, distribuídos em ciclos de preparação que permitam aos atletas manter um rendimento competitivo elevado.

Esta complexidade é maximizada quando constatamos haver:

• Modalidades dos desportos coletivos que na generalidade dos casos possuem uma curta fase de preparação inicial da época, seguindo um longo período de competições onde ao calendário nacional acresce o internacional.
• O Ténis e o Golfe profissional que apresentam, igualmente, um curto período de preparação inicial da época e um longo período de competições com muitas viagens de médio e longo curso.
• Modalidades cíclicas que regra geral preparam-se para três a quatro competições importantes numa época onde podem ser definidos ciclos de preparação sincronizados com as datas dessas competições.

Os dois primeiros grupos, têm como estratégia de preparação o prolongamento do estado de forma dos atletas, evitando o surgimento de picos de forma, nocivos nestas modalidades;

No segundo caso, modalidades cíclicas a estratégia de preparação é a estruturação cíclica da época que permita ao atleta estar exposto a fases de cargas específicas de alta intensidade, alternando com cargas de menor intensidade, mas de elevado volume para que os atletas alcancem um pico de forma naquelas datas.

O sucesso na preparação dos atletas resulta:

  • De uma adequada a aplicação da carga de treino;
  • Do correto diagnóstico do nível de fadiga alcançado pelos atletas;
  • Da definição de um ciclo de treino com o objetivo de estimular a recuperação ativa dos atletas.

Carga- fadiga-recuperação são três variáveis do processo de treino que, de há muito, constituem uma unidade dinâmica e cujo centro de gravidade, desta tríade, varia, segundo o momento da época, da importância de uma competição ou da aproximação de um jogo cuja importância justifica um ciclo de recuperação para um melhor rendimento durante o jogo.

O enorme progresso que se assistiu nos últimos anos, e que explica muito do sucesso no desporto, encontra-se precisamente na área do controlo do treino surgindo as Equipas constituídas por médicos especializados em Medicina do Desporto; pelo Psicólogo do Desporto; pelo Nutricionista do Desporto; pelos Fisioterapeutas do Desporto e demais técnicos especializados.

Só com estas equipas Multidisciplinares é que se poderá garantir uma boa direção no desenvolvimento da forma desportiva dos atletas elevando a sua capacidade de rendimento competitivo sem que surjam quebras por sobre treino ou diferentes tipos de fadigas.

Os Ciclos de Treino
Tendo sempre presente as datas e a tipologia das diferentes competições, anteriormente definidas, o que indica, igualmente, os momentos de uma maior capacidade de rendimento dos atletas, importa, então, estruturar a época em diferentes ciclos de preparação desportiva ao que acresce os conteúdos de treino adequados a cada momento da época e a cada ciclo.

Funções dos ciclos de treino
O processo da preparação desportiva dos atletas ocorre de forma continua (ao longo de toda a época) e segundo a definição de cargas de treino com alternâncias nas suas dinâmicas e nas suas grandezas.

A estruturação cíclica da época é a melhor resposta para se obter uma elevação da capacidade de rendimento e conseguir mantê-la durante um determinado tempo, ou seja, elevar e consolidar as adaptações gerais e específicas no organismo dos atletas. Finalmente, para se conseguir o surgimento das adaptações metabólicas e neuromusculares é importante que o conteúdo e a distribuição das cargas de treino mudem com regularidade ao longo do processo anual e que, durante um certo tempo, mantenham aspetos constantes.

O fundamento da estruturação cíclica da época consiste na capacidade de gerir o desenvolvimento da forma despor­tiva. Tal capacidade apenas é possível pela modificação racional do processo de treino nas diferentes fases dos ciclos da preparação.

Os três ciclos que constituem importantes referências para a estruturação da época são:
• Os ciclos Longos-designados pelos Macrociclo e que são definidos temporalmente pelo número de pontos altos definidos pelo treinador e que, segundo algumas modalidades desportivas, poderão variar entre um e quatro pontos altos:
• Os ciclos Médios- designados por Mesociclos muito importantes na generalidade das modalidades cíclicas e nas de combate, sendo negligenciáveis na generalidade das modalidades coletivas. Em regra, possuem uma duração de três a cinco semanas predominando, contudo os de quatro semanas;
• Os ciclos Curtos ou os Microciclos que constituem o elo de ligação entre toda a sequenciação da preparação dos atletas, em todas as modalidades e com particular destaque nas modalidades coletivas. A sua duração varia entre quatro e quatorze dias, estando esta última muito presente nas modalidades com um calendário de provas muito prolongado, com jogos semanais e por vezes dois jogos na semana;

Acontece que um significativo aumento da investigação científica alargou a visão em torno da ciclicidade das épocas desportivas, fazendo surgir, novas propostas como foi o caso da organização da época por Blocos, o ATR e outros mais catuais e que se encontram em discussão e num âmbito restrito de experimentação.

Conclusão

Proceder ao planeamento de uma época desportiva é um imperativo ético do treinador. Planear é preparar a direção do desenvolvimento dos atletas, permitindo, uma participação nas competições na plenitude de todas as suas capacidades. Para tal, o treinador deverá seguir uma metodologia que lhe permita encontrar as respostas e soluções próprias da preparação de atletas adultos e de alto rendimento desportivo. Com este desiderato propomos a realização de um profundo diagnóstico das condições de trabalho e das características dos elementos que constituem a Equipa. De seguida, proceder a uma boa definição dos objetivos individuais, da Equipa e proceder a uma definição do Modelo de Jogo, fatores fundamental para o futuro sucesso. Outro passo muito importante passa pela cuidadosa análise dos adversários e valor das equipas. Entre outros passos não referidos, chega-se ao momento de proceder à estruturação da época em Ciclos de Treino cuja temporalização e conteúdos deverão, em nosso entender, serem definidos de acordo com os saberes e competências de cada treinador.

*ANTÓNIO VASCONCELOS RAPOSO, natural de Ponta Delgada, São Miguel, Açores, dedicou parte da sua carreira a treinar atletas de alto rendimento, com participação frequente nos Jogos Olímpicos. Treinador Superior de Natação formado pela DHfK de Leipzig, ex-RDA e Treinador de Mérito em natação pura desportiva atribuído pela Federação Portuguesa de Natação, licenciou-se em Educação Física e Desporto no ISEF de Lisboa, é Mestre em Ciências do Desporto, vertente do Alto Rendimento Desportivo pela FMH, formador de cursos de treinadores a nível nacional e internacional, e também autor de livros sobre a Metodologia do Treino, nomeadamente “Planeamento do Treino; Fundamentos,” e “Organização e Operacionalização (2017); Visão & Contextos”.

2 Comentários

2 Comments

  1. Antonio Vermelhudo

    Janeiro 8, 2022 at 11:42 pm

    Estamos totalmente de acordo com o depoimento deste Grande Senhor e Técnico da Natação. O treinador ao estar a planear o treino no inicio de cada época está a antecipar o objetivo para os seu(s) atleta(s). O sucesso do seu atleta(s) é o seu próprio sucesso.

    • João Campos

      Janeiro 28, 2022 at 9:57 pm

      Espetacular, excelente Artigo. Adoro este SENHOR PROFESSOR A.VASCONCELOS RAPOSO.
      Abraço Professor.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos que poderás gostar

Outras Modalidades

Os Jogos Internacionais do Special Olympics Malta terminaram esta quarta-feira. A prova, que contou com mil participantes de 23 países diferentes, deu inicio na...

Natação

O presidente da Federação Portuguesa de Natação (FPN), António José Silva, falou com a SportMagazine, esta quinta-feira, após a apresentação do seu livro, “O...

Cursos e Congressos

Aproximadamente 130 representantes de federações europeias, assim com observadores internacionais, são esperados no sábado para participar do Congresso Extraordinário LEN 2022, que decorre em...

Adaptado

O ciclista português André Soares conquistou este domingo a segunda medalha pessoal para Portugal nos Jogos Surdolímpicos, que decorrem em Caxias do Sul, no...

@2021 - SportMagazine - Revista de Treino Desportivo.
Todos os direitos reservados. Quântica Editora - conteúdos especializados, Lda. Praça da Corujeira, 30 4300-144 Porto, Portugal.
Website desenvolvido por Renato Sousa.