1 de Fevereiro 2023 09:09
Segue-nos

O que procura?

SportMagazineSportMagazine

Ciência

Luís Monteiro: Projeto/Programa de deteção e desenvolvimento de talentos no judoExclusivo 

Luís Monteiro, professor doutor da Universidade Lusófona e coordenador do Planeamento, Periodização, Controle e Avaliação da Seleção Nacional. Foto: FPJ

Por Luís Fernandes Monteiro*

Introdução

Identificação e desenvolvimento de talentos no Judo juvenil são complexas e processos multidimensionais. A Federação Portuguesa de Judo está a desenvolver e a implementar este Programa, para apoiar treinadores e praticantes a aplicar uma abordagem multidisciplinar para a identificação dos seus talentos e do seu quadro de desenvolvimento. Esta abordagem holística é caracterizada por abordar os aspetos técnico/tático, psicológico, atributos sociais e físicos, que são fundamentais para a deteção e desenvolvimento individual do atleta a longo prazo.

Na última década, vários estudos demonstraram convincentemente que a identificação de características em crianças pode constituir uma base sólida para identificar os indivíduos com a maior hipótese de se destacar em competições de nível internacional. O Programa de Deteção e Desenvolvimento do Talento no Judo (DDJudoTalent2024) tem como objetivo prever o desempenho de jovens atletas do judo com modelos estatísticos preditivos lineares e não-lineares. A hipótese é que uma bateria de teste não específica e um teste específico para o Judo irá alocar atletas ao seu melhor nível de realização, pelo menos três a quatro anos, após a linha de base.

A predição do talento para a prática do Judo, e a previsão sobre qual possa ser o rendimento futuro dos jovens judocas, é uma área de trabalho determinante no sucesso e no futuro da nossa modalidade. Neste âmbito, um dos fatores mais vezes estudado é a morfologia do atleta. De facto, a literatura reporta que o perfil morfológico do atleta desempenha um papel importante nas respetivas performances, sendo determinante para o sucesso (Kuvačić et al., 2017; Cumming et al., 2017; Lloyd et al., 2016; Matkovic et al., 2003). Também, a associação entre a morfologia, maturação e desempenho tem sido considerada no estudo do talento desportivo, assim como o efeito da idade relativa dos jovens atletas sobre as características morfo-funcionais (Baker et al., 2003; Cobley et al., 2009; Folgado et al., 2006; Musch & Grondin; 2001). Contudo, também outros fatores (e.g., habilidade técnica e tática) parecem ter influência no desempenho desportivo do atleta (Bloomfield et al., 2005; Matkovic et al., 2003; Rivera Sosa, 2002), assim como alguns aspetos psicológicos (Ramadas et al., 2012; Kelly & Williams, 2020).). De acordo com Franchini et al. (2005; 2018), o Judo possui algumas características que devem ser observados no processo de deteção e promoção de talentos: (a) A divisão das categorias por peso faz com as características dos atletas sejam diferentes em cada uma delas; (b) Embora exista a necessidade de avaliar a condição física dos indivíduos, os aspetos técnico-táticos deverão fazer parte de uma avaliação após um período de aprendizagem da modalidade; (c) Os aspetos psicológicos devem ser considerados, tanto em relação a aderência ao treino como para enfrentar a situação competitiva. O treino físico de jovens atletas de judo deve ser dirigido ao desenvolvimento das seguintes qualidades: força, rapidez, resistência, flexibilidade e coordenação (Wazir et al., 2017). Especialistas também afirmam que na organização correta do processo de treino, os atletas de judo até aos 20 anos, devem dominar a base da atividade desportiva de sucesso não só a nível técnico-tática, mas também é necessário considerar comportamentos e motivações de jovens atletas e o seu perfil morfológico. Até à década de 1990, várias associações científicas nacionais e internacionais (como a Academia Americana de Pediatria), pesquisadores e médicos foram críticos em relação à aplicação do treino de força em jovens. Sugeriu-se que, devido a baixos níveis de androgénio circulante (a testosterona), o treino de força não era eficaz na indução de ganhos de força em crianças particularmente pré-púberes. Além disso, argumentou-se que o treino de força podia causar danos à epífise ou placas de crescimento e, portanto, podia dificultar os processos maturacionais. É de notar que a epífise é particularmente vulnerável no esqueleto juvenil porque a resiliência da cartilagem aos invólucros externos é menor em comparação com a resiliência do osso. Por conseguinte, argumentou-se que o dano da área da cartilagem podia provocar a fusão da epífise, resultando em deformidades dos membros e / ou cessação do crescimento dos membros. Hoje, em dia, o trabalho de força em pré-púberes pode ser efetuado se, realizado com cargas adequadas e não máximas e sem a realização de levantamentos acima da cabeça. Para finalizar, o estudo do talento desportivo só faz sentido quando assenta na caracterização da modalidade e integra um conjunto de indicadores que possibilitem o estudo multidisciplinar do atleta.

Objetivos do Programa de Deteção e Desenvolvimento do Talento no Judo

(1) Identificar um conjunto de indicadores morfológicos, fisiológicos, técnico-táticos, psicológicos e sociais capazes de explicar a performance desportivo-motora.

(2) Desenvolver baterias de testes simplificadas e rentabilizar os processos de avaliação e controlo do treino.

(3) Estabelecer relações estruturais entre indicadores da aptidão física, técnico-táticos, social e psicológicos do sucesso do judoca.

(4) Construir Tabelas Classificativas (Normativas) e de desenvolvimento das capacidades físicas com base na avaliação longitudinal de atletas.

(5) Elaborar estudos no âmbito do desenvolvimento e treino dos jovens destes escalões (12 – 16 anos) no Judo;

(6) Construir modelos estatísticos que permita predizer o sucesso dos atletas.

DESCRIÇÃO DA PROGRAMA

Pilares

O Programa de Deteção e Desenvolvimento do Talento em Judo, é considerado como o Pilar de Desenvolvimento do Jovem Judoca a Longo Prazo, tendo em vista, no futuro, o Alto Rendimento.

Segmento Jovens dos 12 aos 16 anos(inclusive), Iniciados, Juvenis e Cadetes (das Seleções e Atletas promessa indicados pelas Associações Regionais).

Eixo

Alto Rendimento Articulação Intersectorial Desporto e Juventude (outros programas do IPDJ, I.P.) Articulado com outros programas, ligados ao Jovens praticantes e Alto Rendimento.

Identificação do programa

Em 2017 a Federação criou um o Projeto/Programa “DDJudoTalent2024” que envolveu jovens judocas dos 13 aos 16 anos, para que os mesmos jovens pudessem usufruir de atividades de Judo Projeto/Programa de Deteção e Desenvolvimento de Talentos no Judo (DDJudoTalent2024) e concentrações regulares ao longo do ano, como competições, estágios regionais e nacionais, ações de formação e ações de promoção e sensibilização.

A Federação pretende ainda, no âmbito da investigação científica, continuar o programa de Deteção e Desenvolvimento de Talentos no Judo, realizar estudos e aperfeiçoar as Tabelas de Valores de Referência no âmbito da aptidão física e técnica no Judo, tendo em vista o desenvolvimento e aplicação de adequados programas de treino técnico-tático, psicológico e físico para os escalões jovens, de modo a melhorar no futuro desempenho dos Judocas.

Além destes aspetos, em 2019, 2020 e 2021 já foram alcançadas medalhas nos Campeonatos da Europa deste Escalão e nas Jornadas Olímpicas da Juventude Europeia, em parte fruto deste trabalho. Em 2022, esperamos reforçar as iniciativas com mais estágios, concentrações e competições, como forma de preparar e desenvolver estes jovens, como garante de algum sucesso no futuro, mas particularmente como garante do futuro da modalidade a longo prazo. Nestas iniciativas pretende-se realizar ações regulares e estágios ao longo do ano, nas regiões e a nível nacional. Na base nos considerados anteriores, a Federação já realizou e pretende ainda realizar, nos próximos quatro anos, no âmbito deste

Linhas de Orientação:

(1) Deteção e Desenvolvimento de Talentos no Judo – para jovens de 12, 13, 14, 15 e 16 anos, com diversos estágios, ao longo do ano, três a nível local (associativos), três a nível Zonal (região) e vários estágios a nível Nacional;

(2) Nestes estágios será realizada uma avaliação Antropométrica, de Aptidão, Física Geral e Aptidão Física Especifica, de Aptidão Técnica e Aptidão Psicológica;

(3) Melhorar o processo evolutivo do judo em Portugal, a começar pelas camadas jovens (Iniciados, Juvenis e Cadetes de 15 e 16 anos);

(4) Apoiar os Treinadores de Judo em Portugal;

(5) Produção Científica com elaboração de artigos, relacionadas com esta Temática, assim como Ações de Formação e Conferências;

(6) Detetar e desenvolver talentos, com vista a integrarem as Seleções Nacionais de Judo, e como garante de judocas de sucesso e do futuro do judo português; e

(7) Desenvolver e aplicar programas de treino adequados a estes escalões, de modo que se estabeleça um “Compromisso com a Tarefa” e melhorar o desempenho dos Judocas, na categoria de Juvenis e Cadetes.

Tendo em vista a avaliação morfológica, a avaliação da condição física (bateria de testes), a avaliação técnico-tática e a avaliação psicológico foram elaborados Instrumentos e adquiridos outros, para suportar estas avaliações nas várias dimensões. Foram entregues aos atletas e aos treinadores os resultados dos Testes de Aptidão Física, realizados durante os estágios realizados. O Projeto está a ser desenvolvido em 4 fases, de acordo com a Figura 1.

Figura 1. Modelo implementado pela Federação Portuguesa de Judo em 4 Fases

Apresentamos alguns exemplos das Tabelas Classificativas (preliminares) dos atletas masculinos e femininos de Judo, na dimensão de Aptidão Física Geral e Aptidão Física Específica (SJFT), com um teste específico de Judo.

Conclusões

O objetivo desta Programa de Deteção de Talentos é ajudar os treinadores a diagnosticar as características físicas dentro deste modelo, que facilitam a identificação e o desenvolvimento do talento, nomeadamente no desempenho físico, técnico-tático, psicológico, de crescimento e maturação e o efeito da idade relativa, e fornecer instrumentos para este desiderato, que possam contribuir par o desenvolvimento do atleta a longo prazo e o sucesso desportivo.

Alguns dos os dados normativos apresentados estão a ser estabelecidos com base em atletas de clube e atletas de nível regional e nacional do escalão de Juvenis e Cadetes de Portugal destas idades, e que podem ser avaliados usando Tabelas de Referência, baseadas nos testes de aptidão física e nos resultados da avaliação morfológica, para juvenis e cadetes, de forma a contribuir para a melhoria do processo de formação e de deteção do talento numa classificação qualitativa, de uma escala de 5 graus proposta neste Projeto, e é usada como referência para orientar a avaliação de jovens atletas, o treino e mesmo durante os processos de reabilitação.

Assim, os treinadores, profissionais de força e condicionamento, passam a ter uma classificação específica de sexo e idade para a aptidão aeróbia e anaeróbia específicas do judo, flexibilidade e aptidão neuromuscular, bem como da força-resistência específica do judo e desempenho de força explosiva.

Este Projeto ajuda a promover e incentivar nestas idades de Juvenis e Cadetes a melhoria da aptidão física e as habilidades, com foco principal no desenvolvimento da habilidade motora e da força muscular. Essas tabelas classificativas também podem ser úteis para os treinadores de judo poderem monitorizar o desempenho físico específico, durante as diferentes fases do processo de periodização e individualizar programas de treino, para promover a participação no condicionamento físico, que pode ajudar a reduzir o risco de lesões e garantir a participação contínua no desenvolvimento atlético de sucesso a longo prazo, mas como parte de uma abordagem multidisciplinar de desenvolvimento de talentos.

Os treinadores e praticantes devem estar totalmente cientes do status do estágio de crescimento e de maturação de um judoca individual. Consequentemente, estratégias e iniciativas podem ser implementadas para neutralizar ou minimizar o seu efeito. Inclui práticas para incorporar programas de força e condicionamento, regimes de treino e estratégias de prática de Judo e competição em relação à idade biológica em vez da idade cronológica.

A identificação e o desenvolvimento de talentos são processos complexos e multidimensionais no Judo Juvenil, com a transição bem-sucedida do nível dos Clubes, das Associações e Federação de Judo juvenil para o status de Alto Rendimento Sénior não dependente de um conjunto de habilidades específicas.

Assim, é importante uma abordagem multidisciplinar para abranger os fatores potenciais que suportem os caminhos para a especialização, mas o Modelo ainda requer uma melhor abordagem holística, que também exigirá estruturas organizacionais para moderar esses efeitos e garantir que haja uma ênfase contínua na criação do ambiente certo para que cada judoca desenvolva todo o seu potencial.

*LUÍS MONTEIRO, é professor doutor da Faculdade de Educação Física e Desporto da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, é um investigador de referência internacional na área do judo. É também o coordenador do Planeamento, Periodização, Controle e Avaliação da Seleção Nacional de Judo.

REFERÊNCIAS

Agostinho, M., Junior, J., Stankovic, N., Escobar-Molina, R., & Franchini, E. (2018). Comparison of special judo fitness test and dynamic and isometric judo chin-up tests’ performance and classificatory tables’ development for cadet and junior athletes. Journal of Exercise Rehabilitation, 14(2), 244-252. doi: 10.12965/jer.1836020.010.

Bosco, C. (1994). La Valoracióm de la fuerza com el Test de Bosco. Barcelona: Editorial Paidatribo.

Carratalã, V., & Carratalã, H. (2005). El judo y la socialización deportiva In S. A. Hispano Europea (Ed.), Introdución al Judo (pp. 168-181). Barcelona: Hispano Europea, S.A.

Ceylan, B., & Balci, S. (2018). The Comparison of Judo-Specific Tests. Journal of Martial Arts Anthropology, 18(4), 54-62. doi:10.14589/ido.18.4.7

Crnogorac, B. (2010). Transformation of Basic and Especific Motor Status Of Elite Judo Players Under The Influence Of Innovated Trainig Model. Sport Science, 3(3), 27-31.

Cumming, S., Lloid, R., Oliver, J., Eisenmmann, J., & Malina, R. (2017). Bio-Banding in Sports: Application to Competittion, Talent Identification, and Strength and Conditioning of Youth Athletes. Strength and Conditioning Journal, 39(2), 34-47.

Franchini, E., Schwartz, J., & Takito, Y. (2018). Maximal isometric handgrip strength: comparison between weight categories and classificatory table for adult judo athletes. Journal of Exercise Rehabilitation, 14(6), 968-973. doi: 10.12965/jer.1836396.198.

Franchini, E., Takito, M., Cássio, R., & Bertuzzi, M. (2005). Morphological, physiological and technical variables in high-level college judoists. Archives of Budo, 1, 1-7.

Franchini, E., Takito, MY. & Kiss, MA. (2005). Physical fitness and anthropometrical differences between elite and non-elite judo players. Biol Sport, 22(4): 315-328.

Franchini, F., Del Vecchio, F., Matsushigue, K., & Artioli, G. (2011). Physiological Profiles of Elite Judo Athletes. Sports Medicine, 41(2). doi: https://doi.org/10.2165/11538580-000000000-00000.

Kelly, A. L. & Williams, C. A. (2020). Physical Characteristics and the Talent Identification and Development Processes in Male Youth Soccer: A Narrative Review. Strength and Conditioning Journal, 42 (6), 15-34.

Lloyd, R., Cronin, J., Faigenbaum, A., Haff, G., Howard, R., Kraemer, W., Micheli, L., Myer, G., & Oliver, J. (2016). National Strength and Conditioning Association position statement on long-term athletic development. J Strength Cond Res, 30(6), 1491–1509.

Monteiro (2016). Analysis of Rate Force Development, Power and Resistance Explosive Strength Indicators in Top Elite vs. Elite Male Judokas. Proceedings of 3RD EUROPEAN SCIENCE OF JUDO RESEARCH SYMPOSIUM & 2ND SCIENTIFIC AND PROFESSIONAL CONFERENCE ON JUDO: “APPLICABLE RESEARCH IN JUDO“.

Sertić, H., & Segedi, I. (2014). Relations of Latent Anthopometric Dimensions to Success in Judo Bout. European Journal of Sport Sciences and Medicine, 8(4), 73–81.

Sterkowicz, S. (1995). Test specjalnej sprawnoci ruchowej w judo. Antropomotoryka,12, 29-44.

Tavra, M., Franchini, E. & Krstulovic, S. (2016). Discriminant and factorial validity of judo-specific tests in female athletes. Arch Budo, 12(1): 93-99.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos que poderá gostar

Judo

O IBSA Grand Prix Portugal 2023, decorre durante estes dias 30 e 31 de janeiro, no Complexo Municipal dos Desportos da Cidade de Almada....

Judo

oram mais de 500 judocas de 81 países a participar, durante três dias do Grand Prix de Judo, que decorreu até o último domingo,...

Judo

A judoca portuguesa Catarina Costa falhou, esta sexta-feira, no Complexo Municipal dos Desportos da Cidade de Almada, a medalha de bronze na categoria -48...

Atualidade

O Encontro Nacional de Esperanças Olímpicas realizou-se este fim de semana, no Centro de Alto Rendimento do Jamor. Este evento junta treinadores e atletas...

©2022 - SportMagazine - Revista de Treino Desportivo.
Todos os direitos reservados. Quântica Editora - conteúdos especializados, Lda. Praça da Corujeira, 30 4300-144 Porto, Portugal.
Website desenvolvido por Renato Sousa.