21 de Maio 2024 22:27
Segue-nos

O que procura?

SportMagazineSportMagazine
0

Atletismo

João Campos: “Falta paixão às novas gerações e estou a falar de treinadores e de atletas”Exclusivo 

João Campos, histórico treinador do atletismo português. Foto: Simão Bastos

João Campos, o consagrado treinador que levou Fernanda Ribeiro ao pódio olímpico, divide hoje o seu tempo entre a formação de jovens atletas e as aulas na Universidade da Maia. Severo com um certo aburguesamento da sociedade, que se reflete na falta de figuras de proa no meio-fundo e fundo equivalentes aos anos dourados, inconformado mas ainda fiel a uma filosofia de treino sustentada no trabalho.

SportMagazine (SM) – Nos últimos anos houve um certo “apagão” no fundo e no meio fundo em Portugal? Vê razões objetivas?
João Campos (JC) – Uma delas é a paixão. Ou a falta dela. Falta paixão nas novas gerações, e estou a falar de treinadores e de atletas. O mundo mudou muito. Antes, os atletas vinham para o atletismo porque gostavam da modalidade e queriam ‘viajar de avião’. Os pais traziam os filhos para o atletismo. Hoje já toda a gente viaja de avião desde pequenino e houve um certo aburguesamento. O atletismo é um desporto duro, com menor capacidade de atração e também não há um calendário de provas juvenis que favoreça essa captação de miúdos que ainda estão em idade escolar. Fundamentalmente falta paixão e também falta dinheiro. Eu sou treinador ‘pro bono’ e os atletas também só começam a ganhar algum dinheiro quando chegam ao estatuto olímpico. Até lá vão desistindo pelo caminho. Mesmo os patrocínios das marcas são muito difíceis. Com a pandemia, a Adidas fechou 85 lojas. Estamos num mundo muito diferente daqueles anos da Fernanda Ribeiro.

SM – O meio externo, tudo o que rodeia a nossa vida, é hoje mais agressivo. Há mais pressão social, a opinião, boa ou má, circula rápido. Vê nisso um handicap importante para a evolução desportiva ou é o mundo que temos e por isso temos que nos adaptar?
JC – Isso é certo. Os atletas não têm uma realidade alternativa. Claro que há mudanças. Antes não era preciso telefonar a ninguém para vir treinar. Os atletas compareciam a horas. Hoje nem sempre é assim. Há mais distrações. Muitos nem estudam, nem treinam, e isto fazendo as duas coisas. Na realidade não aproveitam utilmente nenhuma delas. Nós nascemos com qualidades inatas para certo rendimento, mas temos que as desenvolver. Eu já disse e repito que o talento é fundamental mas precisa de trabalho. O trabalho é muito mais importante. O talento explora-se e desenvolve-se através do trabalho.

Não perca a entrevista na íntegra na próxima edição da SportMagazine. Se ainda não é assinante, saiba como fazer para integrar o nosso grupo de leitores.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Edição Atual

Artigos que poderá gostar

Atletismo

O ucraniano Roman Kokoshko (Sporting) e a francesa Angelica Berriot foram os melhores atletas do 3º Meeting de Albufeira by AP Victória Sports &...

Atletismo

A principal equipa de Portugal, composta por João Vieira e Vitória Oliveira obteve, terça-feira, “a melhor marca nacional na prova de estafeta olímpica de...

Atletismo

Catarina Ribeiro (Sporting) renovou, no passado fim de semana, o título de campeã de Portugal dos 10.000 metros, num dia marcado pela estreia de...

Atletismo

O Campeonato Mundial de Equipas de Marcha Atlética (antiga Taça do Mundo) realiza-se este domingo (dia 21 de abril), em Antalya, na Turquia, e...

©2022 - SportMagazine - Revista de Treino Desportivo.
Todos os direitos reservados. Quântica Editora - conteúdos especializados, Lda. Praça da Corujeira, 30 4300-144 Porto, Portugal.
Website desenvolvido por Renato Sousa.