16 de Maio 2022 06:04
Segue-nos

O que procura?

SportMagazineSportMagazine

Atualidade

Congresso Mundial deixa legado: “Retivemos inúmeros detalhes que nos obrigam a refletir”

John Bales e Pedro Sequeira, presidentes do ICCE e Confederação de Treinadores de Portugal, respetivamente. Foto: SM

Foram 870 participantes – dos quais 600 presenciais – em cinco dias de intensa troca de conhecimento. O 13º. Congresso Mundial de Treinadores ICCE (International Council for Coaching Excellence), encerrado este domingo, foi assumido pelos organizadores e participantes como um sucesso, não apenas pelas sessões em si mesmas, mas sobretudo pela oportunidade de preletores, investigadores e treinadores poderem, paralelamente, desfrutarem uns dos outros para trocar experiências nos corredores e momentos que intercalaram as apresentações.

“O Congresso foi uma grande oportunidade para muitas coisas, mas uma delas foi fazer os investigadores e os praticantes estarem juntos. Trouxemos muitos pesquisadores de referência que estão a descobrir novos métodos e técnicas e precisamos de ‘traduzir’ isto para os treinadores e atletas. Trazê-los para o congresso é sempre uma oportunidade única de tentar melhorar essa interação entre treinadores e pesquisadores. Esse certamente foi um dos nossos pontos mais relevantes”, destacou o canadiano John Bales, presidente do ICCE.

“E acho que outro grande elemento é o fator internacional. Temos muito para aprender com as culturas uns dos outros. De alguma maneira, todos temos os mesmo problemas para resolver e encarar como treinadores e pesquisadores. Em diferentes situações, mas com desafios muito parecidos. E dividir as nossas ideias e pesquisas em diferentes contextos foi muito benéfico para o conhecimento de todos, o que só é possível num congresso como este”, acrescentou Bales, um dos organizadores do evento ao lado da Confederação de Treinadores de Portugal.

O encontro que aconteceu na Aula Magna da Universidade de Lisboa foi o primeiro presencial, em aproximadamente dois anos, para este público. Apesar da preocupação com a pandemia ainda em curso, a evolução da vacinação em Portugal permitiu que o congresso ocorresse de forma presencial, o que também foi tratado como uma vitória pelos organizadores.

“Superou claramente as minhas expetativas. E superou por duas razões. Primeiro porque nunca pensávamos que atingiríamos esse número de inscritos: 870. Foram 600 presenciais e 270 à distância numa altura em que é tão difícil no mundo as pessoas viajarem, mesmo em Portugal, por questões de segurança. Foi extraordinário. O segundo é que só quem cá esteve sentiu isso, que é a partilha entre as pessoas. Parte dos conferencistas eu sabia que teriam muita qualidade, porque nós, juntamente com a ICCE, fomos à procura de diversos treinadores e investigadores que pudessem ajudar na formação dos treinadores. E foi um congresso onde vi as pessoas, mesmo não se conhecendo, a falarem umas com as outras. Na minha opinião é o mais importante deste congresso e tenho pena daqueles que não puderam vir e aqueles que estiveram a trabalhar estes dias com as suas equipas e não puderam vir ao congresso e ter essa oportunidade”, disse Pedro Sequeira, presidente da Confederação de Treinadores de Portugal.

Sessão promoveu encontro entre selecionadores nacionais no último sábado, 20. Foto: Confederação de Treinadores de Portugal/Instagram

“Mesmo sob uma situação difícil, tivemos pessoas de vários sítios do mundo aqui. A maioria europeus e da América do Norte. O maior desafio foi realmente que todos pudessem estar aqui, mas como nem todos puderam, usámos as ferramentas digitais que temos à disposição para alcançar todos. Numa das sessões tivemos apresentações de pessoas do Japão e da Austrália, o que conseguimos graças à tecnologia. É uma oportunidade de estar à frente um do outro que foi incrível”, complementou Bales.

Selecionadores Nacionais

Dentre os preletores e ouvintes no congresso ocorrido entre 17 e 21 deste mês, alguns selecionadores nacionais puderam tornar-se melhores, segundo eles próprios, após a participação no evento.

“Tudo o que seja partilha é bom para o desporto. O congresso permite que todos possamos partilhar algo e absorver algo. Depois cada um filtra o que quer e pode sair daqui uma melhor pessoa e treinador do que aquilo que chegou. Sem dúvida saio melhor. A partir do momento em que vemos treinadores de renome, partilhámos também experiências e informações entre as modalidades. De certeza, que vou sair por aquela porta melhor do que cheguei”, garantiu Hélder Antunes, à frente da Seleção Nacional de hóquei em patins feminino.

Campeão europeu e mundial com a Seleção de futsal masculina, Jorge Braz agradeceu aos organizadores e afirmou que o momento foi de uma riqueza “brutal” para os participantes.

“Foi fantástica a diversidade de modalidades desportivas aqui presentes. Realidades diferentes, preocupações comuns e isto aqui enriquece muito a nossa forma de olhar para o treino, olhar para o jogo, olhar para as lideranças. Áreas de investigação tão diversas, isto obriga-nos a refletir e olhar para problemas do desporto que nem sempre refletimos adequadamente no nosso dia a dia por estamos tão focados na nossa modalidade, no nosso treino, no nosso jogo. Isto foi de uma riqueza brutal convivermos e partilharmos também fora das sessões, nossas experiências. Retivemos aqui inúmeras palavras e frases, inúmeros detalhes que nos obrigam a refletir”, disse Braz.

Ricardo Vasconcelos, selecionador da equipa de basquetebol feminino, foi mais um a garantir que saiu do congresso maior e mais preparado do que quando nele chegou.

“Eu acredito na magia da palavra partilhar. Quando nós partilhamos, algo nasce. Nasce mais. A capacidade de nós interagimos uns com os outros de partilhar tudo o que eu sei, faz com que alguém reflita com aquilo que dissemos e venha com uma nova ideia. A partilha é absolutamente essencial com o crescimento de qualquer temática. A temática aos treinadores. Enquanto partilhamos como treinadores há uma magia que acontece, há um melhoramento geral, que faz com que para continuar a ser melhor tenhamos que trabalhar mais que ontem. Essa ideia de que o conhecimento gera conhecimento é igual ao dinheiro: quanto mais conhecimento eu tenho, mais eu vou adquirir. O conhecimento traz dúvidas e as dúvidas trazem respostas. Isto é absolutamente decisivo para evolução de qualquer temática. Penso que crescemos todos muito com essas pequenas partilhas que nos levou às pequenas reflexões que nos levou a conclusões que não tínhamos antes de chegar aqui”, disse.

 

 

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos que poderás gostar

Atualidade

Jorge Braz, selecionador nacional de futsal masculino, foi eleito na noite desta quinta-feira o Treinador do Ano, na 25ª Gala do Desporto, que se...

Atualidade

Será difícil apontar outro treinador tão vitorioso em solo português nos últimos anos quanto Jorge Braz. Bicampeão da Europa, com o segundo título conquistado...

Futsal

Campeão europeu e mundial em título, Portugal terá pela frente um adversário dos mais tradicionais do futsal mundial. A Espanha é recordista de troféus...

Futsal

Com seis pontos e na liderança do Grupo A do Campeonato da Europa de Futsal, a Seleção Nacional encerra hoje a primeira fase da...

@2021 - SportMagazine - Revista de Treino Desportivo.
Todos os direitos reservados. Quântica Editora - conteúdos especializados, Lda. Praça da Corujeira, 30 4300-144 Porto, Portugal.
Website desenvolvido por Renato Sousa.