20 de Junho 2024 14:13
Segue-nos

O que procura?

SportMagazineSportMagazine
0

Voleibol

Capitão da seleção nacional de voleibol envolvido em ações humanitárias na Turquia

Foto: Alexandre Ferreira/Twitter

Alexandre Ferreira, capitão da Seleção Nacional de voleibol, veste as cores do Fenerbahçe, um dos grandes clubes da Turquia.

Depois do sismo que atingiu o país, o emblema turco transformou o estádio de futebol num quartel-general das ações humanitárias e conta com a participação do capitão luso.

«Aqui, em Istambul, foi tranquilo, já senti um sismo, mas foi há uns meses. Acordei sobressaltado, mas não teve a mesma gravidade. Neste, tínhamos ido jogar a Ancara e vínhamos em viagem quando soubemos das notícias à noite. Estava um temporal enorme de neve e vento», mencionou em declarações ao jornal A Bola.

Dez dias depois da terra ter tremido na Turquia e Síria, as imagens de devastação não param, mas também há outras que revelam a ajuda ao próximo. Entre os clubes mais emblemáticos turcos está o Fenerbahçe que fez do estádio de futebol o quartel-general das ações humanitárias das quais Alexandre Ferreira, capitão da Seleção Nacional de voleibol e zona 4 do Fenerbahçe HDI Sigorta, tem feito parte.

«Aqui, em Istambul, foi tranquilo, já senti um sismo, mas foi há uns meses. Acordei sobressaltado, mas não teve a mesma gravidade. Neste, tínhamos ido jogar a Ancara e vínhamos em viagem quando soubemos das notícias à noite. Estava um temporal enorme de neve e vento», começou por contar o mais bem cotado dos zona 4 da liga turca a A BOLA, após o regresso ao treino.

«Hoje [ontem], começámos uma iniciativa de três dias a doar sangue. É aberto a todos, com o ponto de encontro a ser o estádio de futebol do Fenerbahçe. Desde o terramoto, encontramo-nos lá. O clube disponibilizou os autocarros de todas as modalidades e camiões para levarem bens essenciais para as vítimas. Juntamo-nos todos, cada um deu um valor, e comprámos alimentos e outros bens. Os jogadores turcos têm promovido outro tipo de ajudas, mais personalizadas, pois têm conhecidos, amigos e familiares que tinham negócios, casa e perderam tudo», relatou.

Quando questionado sobre o regresso às competições, o atleta esclareceu que: «Falaram-nos em 2 ou 3 de março, mas nada é certo», acrescentando que «Muitas equipas de lá [zona afetada pelo sismo] já não voltam, ficaram sem pavilhão, sem nada. O Fenerbahçe recebeu um rapaz dos juniores de lá que perdeu a família toda. Vai jogar aqui e, como o clube tem residência para os mais novos, fica a morar lá. Aliás, o clube está disponível para receber mais», realçou o português.

«Infelizmente, tem havido assaltos a casas. Também têm assaltado camiões que levam os bens angariados. Um dos nossos foi mandado parar na estrada. Vi vídeos da polícia militar turca a apanhá-los. Até já ouvi relatos de bebés roubados para o tráfico humano», concluiu.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Edição Atual

Artigos que poderá gostar

Voleibol

A seleção portuguesa de voleibol feminino conquistou  a European Silver League, ao vencer a Finlândia, por 3-1, no jogo da segunda mão da final...

Cursos e Congressos

A Associação Nacional de Treinadores de Voleibol (ANTV) organiza o 26º Encontro Nacional de Treinadores de Voleibol, o principal evento de reunião dos treinadores de...

Voleibol

A seleção portuguesa feminina de voleibol venceu, no passado fim de semama, no Pavilhão Municipal de Santo Tirso, a sua congénere de Montenegro, por...

Voleibol

A seleção portuguesa feminina de voleibol, liderada por Hugo Silva, disputa, nos dias 24, 25 e 26 de maio, o Torneio 6 da European...

©2022 - SportMagazine - Revista de Treino Desportivo.
Todos os direitos reservados. Quântica Editora - conteúdos especializados, Lda. Praça da Corujeira, 30 4300-144 Porto, Portugal.
Website desenvolvido por Renato Sousa.