18 de Maio 2022 08:04
Segue-nos

O que procura?

SportMagazineSportMagazine

Natação

Camila Rebelo e a melhor fase pessoal: “Fazer tão bons tempos foi de outro mundo”Exclusivo 

Camila Rebelo, nadadora portuguesa. Foto: FPN

Camila Rebelo vive o melhor momento da carreira. Aos 19 anos, divide a intensa rotina de treinos nas piscinas com os não menos exigentes estudos no curso para se tornar médica na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. Atleta do Louzan, ela foi um dos principais destaques do Campeonato Nacional de Juvenis, Juniores e Absolutos que decorreram no início deste mês. Resultados que alçaram Camila Rebelo, em definitivo, do grupo de coadjuvantes ao seleto conjunto de protagonistas da natação portuguesa.

Na competição disputada em sua casa, em Coimbra, a nadadora treinada por Gonçalo Neves e Vítor Ferreira passou a ter os dois recordes nacionais seniores e absolutos. Acumulou recordes nacionais absolutos dos 200m costas por duas vezes. Primeiro, nas eliminatórias (2.15,00 minutos). Em seguida, na final com um novo máximo (2.11,18).

A segunda marca garantiu a presença da atleta no Europeu de Roma, que decorrerá em agosto. Detalhe é que o recorde obtido por Camila Rebelo, quarta melhor marca do continente nesta temporada, esteve a apenas dez centésimos dos mínimos para os Mundiais da Hungria, em junho.

A nadadora do Louzan também estará na competição europeia nos 100m costas. Também em Coimbra, ela venceu a prova com 1.01,10 minutos, registo que é recorde nacional absoluto e mais uma marca suficiente para levá-la a competir na capital italiana.

Em entrevista à SportMagazine, a jovem atleta falou sobre o momento na carreira, projetou os objetivos para o Europeu, falou da intensa rotina dual, entre os estudos e os treinos, citou duas inspirações e, claro, admitiu que o sonho é estar nos Jogos Olímpicos de Paris 2024.

Foto: Camila Rebelo/Facebook

SportMagazine (SM) – Teve muitos resultados expressivos nos Nacionais de Coimbra, mas os recordes sénior e absoluto nos 100m e 200m costas foram realmente notáveis. Esperava conseguir marcar tão boas nesta altura?

Camila Rebelo (CR) – Eu tinha noção de todo o trabalho que estava a fazer, assim como os tempos que estava a fazer nos treinos. Em ambas as provas, fiquei muito surpreendida, pois sabia que era capaz de fazer recordes pessoais, mas fazer tão bons tempos foi de outro mundo.

SM – O que todos veem na Camila dentro da piscina seguramente corresponde a muito empenho e abdicação também fora dele. Pode falar um pouco como tem sido a sua rotina de treinos para alcançar tão bons resultados?

CR – Sim, realmente é necessário muito empenho e dedicação, assim como abdicação de certas coisas para que consigamos chegar a um objetivo maior. Neste momento, estou na Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra a fazer todas as cadeiras. A minha rotina num dia em que faço bidiário é acordar por volta das 6h10, sair de casa às 6h30 para as 7h00 estar no Complexo Olímpico de Piscinas de Coimbra, onde realizo os treinos da manhã. Depois, vou para as aulas da faculdade. Na parte da tarde, vai depender até que horas são as minhas aulas, mas treino mais duas horas e meia de água e em dois dias por semana faço ginásio. Normalmente, chego a casa por volta das 20h/20h30, depois é jantar e ir dormir.

SM – Na natação existem diversas especialidades. As provas “costas” têm sido mesmo o destaque da Camila. Tecnicamente, o que é mais difícil neste tipo de prova?

CR – Na prova de costas, o que diferencia para as restantes é, talvez, manter a posição adequada na água e a força de pernas que temos que ter para manter o batimento de pernas necessário, porque quando estas falham torna a prova ainda mais difícil.

Foto: Camila Rebelo/Facebook

SM – Qual tem sido o papel dos teus treinadores no teu desenvolvimento como atleta de elite?

CR – Um papel bastante importante porque estão tanto nos momentos bons como nos momentos maus, quer para parabenizar, quer para levantar-me o moral quando não está a correr da melhor forma. E também, claro, estão lá para me puxar as orelhas quando assim é necessário.

SM – Conseguiu os mínimos para o Europeu de Roma, em agosto. O que consideraria ser um bom resultado nesta competição continental?

CR – Inicialmente, o objetivo era fazer o mínimo e participar na minha primeira prova absoluta, agora que tenho 2.11,18 gostaria muito de poder participar numa meia-final, e farei de tudo para poder lá chegar.

SM – A longo prazo, o principal objetivo é Paris 2024?

CR – Sim! Desde de pequena que tenho como sonho participar na maior competição da nossa modalidade, mas agora que fiz 2.11,18 passou de sonho para objetivo!

SM – Concilia a natação com os estudos na faculdade de medicina. Sobre este ponto, para além dos desafios do curso, existe mais apoio ou desestímulo para que mantenhas uma carreira dual (estudos + desporto)? E o que motiva a Camila a seguir os estudos mesmo sendo uma atleta de sucesso?

CR – Em relação a querer manter os estudos e a natação ao mesmo tempo, para além de achar bastante importante ter já pelo menos o caminho começado para continuar a minha vida, sinto que necessito de algo mais para além da natação, ou seja, de ter alguma coisa a fazer depois dos treinos, até para me manter ocupada.

Em relação ao curso, estou a gostar bastante. Tem sido uma aventura para manter a carreira dual. Para ser sincera, depende do rendimento desportivo, com isto quer dizer que só a partir de uma determinada classificação é que começamos a ter mais apoios. Por exemplo, eu antes do nacional de abril, não tinha estatuto de atleta de alto rendimento. Consegui na universidade apenas o estatuto de estudante-atleta, mas quase não havia benefícios. Fiz um estágio no inicio do ano em Serra Nevada, onde apanhou a fase de exames da época normal, ou seja, tive de fazer todos os exames na época de recurso e só poderia fazer dois dos sete exames na época especial. Mas agora que estou na Preparação Olímpica irei me entregar no PAAR da Universidade de Coimbra, onde já terei mais benefícios.

SM – Por fim, há algum nadador português (ou de fora do país) que mais admire e que inspire a Camila?

CR – Eu diria o Gabriel Lopes que é o meu colega de treino, que já foi a todos os palcos possíveis na natação. Poder treinar com um olímpico e um paralímpico, o Diogo Cancela, é muito inspirador, até porque durante o treino puxamos uns pelos outros.

Foto: Camila Rebelo/Facebook

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos que poderás gostar

Atletismo

Portugal encerrou este domingo a sua participação nos Jogos Surdolímpicos, que decorreram em Caxias do Sul, no Brasil, entre os dias 1 e 15...

Ciclismo

Portugal contou, este domingo, com as participações de Telmo Pinão – C2 – e de Bernardo Vieira – C1 -, em corridas de 44,4...

Futsal

Dois títulos europeus (2018 e 2022) e um mundial (2021) alcançados com uma diferença temporal tão curta elevariam qualquer equipa ou seleção a um...

Natação

O presidente da Federação Portuguesa de Natação (FPN), António José Silva, falou com a SportMagazine, esta quinta-feira, após a apresentação do seu livro, “O...

@2021 - SportMagazine - Revista de Treino Desportivo.
Todos os direitos reservados. Quântica Editora - conteúdos especializados, Lda. Praça da Corujeira, 30 4300-144 Porto, Portugal.
Website desenvolvido por Renato Sousa.